Bem Vindo 🙂

Quando descobri o “if then else” disse que já sabia “tudo”.

Agora sei mais e não sei “nada”.


Quem sou eu?

O meu nome é Gonçalo Costa, sou português e tenho 20 anos. Neste momento, estou a estudar Engenharia Informática e tenho como objetivo atual aprender tudo que esteja relacionado com TI, especialmente relacionado com software.

Sempre vi o meu futuro passar pelo mundo da tecnologia, mas nunca soube onde me haveria de encaixar. O eu mais novo via-se como um futuro gerente numa grande empresa de tecnologia ou qualquer coisa parecida. Mas, para o melhor ou para o pior, no meu 12º ano eu escolhi uma disciplina chamada Aplicações Informáticas, ainda sem ter noção do que lá ia aprender. Um dos tópicos abordava as bases da programação. Portanto, por causa disso e visto que tinha muito tempo livre, no verão anterior (com a idade de 16), comecei a programar em Visual Basic (a linguagem e plataforma que íamos usar nesta disciplina).

A partir daí, a minha vida mudou. Eu não queria mais ser um diretor ou gestor. Eu queria ser programador.

Então, visto que já tinha decidido o que queria fazer da vida, tinha que decidir qual seria o meu caminho para alcançar este sonho. Com isso em vista, concorri e entrei no curso de Engenharia Informática no Instituto Superior Técnico, que é das melhores universidades de engenharia de Portugal.


Segue-me nas redes sociais


Jornada enquanto Jogador de Futebol

Mas a minha vida não é só feita de estudos e computadores. Uma parte da minha vida, que é importante referir, é que eu fui jogador de futebol quase 10 anos. E nesses quase 10 anos joguei em dois clubes: Repesenses e Académico de Viseu. E nesta “carreira” eu acabei por ter alguns dos meus momentos mais contentes e também mais tristes da minha vida.

Nesses tempos, eu aprendi muito acerca da importância de um grupo (amizade, espírito de equipa e o sentimento que independentemente de tudo não estás sozinho). Eu posso dizer que também aprendi muito com os meus treinadores e como lidar com as dificuldades de gerir vários “egos”.

Jornada como Blogger

Vale a pena referir que antes de 2018 eu fui blogger por 3 vezes na minha vida. A primeira vez escrevi num blog que eu tinha criado e aí escrevi sobre a minha experiência como jogador de futebol com 10 anos. O meu segundo blog foi um projeto meu e de mais 2 amigos meus onde falávamos sobre aquilo que nos interessava mais (arte, tecnologia e filmes). O terceiro é o único dos 3 que ainda está “de pé”. O blog pertence à marca inWork (software de gestão) que fala acerca de tecnologia, legislação portuguesa e tudo o que possa ser útil para a gestão de empresas. De tempos a tempos, eu ainda escrevo para lá.

Porque sempre gostei de escrever e porque também é importante exercitar tanto o meu Português como o meu Inglês, em 2018 eu comecei a escrever outra vez. Criei uma conta no Medium e agora, neste site, tenho um blog onde vou escrever em ambas as línguas acerca tudo o que me interessar e que possa interessar às pessoas que costumam ler aquilo que eu escrevo.

From “Spectator” to “Actor” – The Ascent

I’ve been reading Medium for like two years now and in this period I absorbed an incredible amount of knowledge in such fields as programming, personal development, leadership and entrepreneurship. I’ve also found here very fascinating people who gave me a lot of advice and tips.

O Resto da Jornada

Agora os meus objetivos passam por:

  • tornar-me um bom engenheiro informático
  • ser um membro ativo da comunidade tecnológica
  • ajudar as pessoas a perceberem o comportamento dos seus computadores e smartphones, os riscos que podemos encontrar na Internet… Ou seja, quero pelo menos tentar demistificar a “magia” que acontece todos os dias nos nossos computadores “por debaixo do capô”
  • aprender a ser empreendedor

Experiência

Estagiário de Software Development na S2L (08/2018 – 09/2018)

Esta experiência foi um estágio de um mês na S2L onde me foi pedido para trabalhar em equipa com outra estagiária para fazer uma plataforma chamada Iungo. O objetivo da plataforma é ajudar pessoas que têm algum tipo de ideia e que pretendem arranjar uma equipa que os ajude a materializar essa mesma ideia. Link para o site.

Tecnologias usadas

  • PHP
  • MySQL
  • HTML
  • Bootstrap
  • JS
  • JQuery

Back-end Developer na Upframe (06/2018 – 08/2018)

Trabalhei com uma equipa de mais 2 programadores e fui responsável por fazer a maioria da API que iria dar o conteúdo para a plataforma Connect v.1. Link para o site.

Tecnologias usadas

  • Node.js
  • MySQL

Full-stack Developer na Griffin Fund (07/2017 – 01/2018)

Fui desafiado por um grupo de pessoas que cria começar um fundo de criptomoeadas. Pediram-me para fazer uma plataforma que permitisse fazer trocas de Ethereum pelo seu próprio token em tempo real, e vice-versa, um mecanismo de atualização do valor do seu token e um referral program (e mais umas quantas coisas). Fui responsável tanto pelo front end, bem como pelo back end. Link para o site.

Tecnologias usadas

  • PHP
  • MySQL
  • HTML
  • Bootstrap
  • JS
  • JQuery
  • Chart.js
  • Coinpayments API

Segue-me nas redes sociais



Tecnologias que Já Usei

C
C

A linguagem mãe. Uma das primeiras linguagens que aprendi na universiade. Sem objetos, sem garbage collector, apenas ponteiros e muitos null pointer exceptions.

Java
Java

Provavelmente uma das linguagens mais usadas por empresas hoje em dia, com uma máquina virtual muito poderosa. Foi a linguagem que me introduziu o conceito de programação por objetos.

Python
Python

A primeira linguagem que aprendi na universiade. Tão simples, contudo tão poderosa. E provavelmente, para qualquer problema que encontres, vai haver sempre uma biblioteca que já tem a solução para isso.

MySQL
MySQL (or Maria DB)

MySQL (ou Maria DB) é o SGBD que mais uso. Mesmo com os seus problemas que estão por toda a web (tenham cuidado, a collation utf-8 não é utf-8 real), continua a ser a minha favorita.

PostgreSQL
PostgreSQL

PostgreSQL foi o SGBD que eu aprendi a usar na minha cadeira de Base de Dados e tenho que dizer que gostei. Postgres é provavelmente um dos mais robustos SGBD open-source que existe hoje em dia.

PHP
PHP

Atualmente a minha linguagem preferida de programação para web (e em geral). Já tenho 2 anos de experiência a usar PHP e com stack LAMP.
(vê o que já fiz com PHP na secção das minhas experiências)

Symfony
Symfony (PHP framework)

Uma das melhores frameworks para back end que já usei. Por 3 meses, num side project, usei-a para fazer uma pequena plataforma que permite a clientes de um restaurante escolher o que eles querem pedir. É também importante de referir as vantagens de usar Doctrine ORM e routing do Symfony.

Spring
Spring (Java Framework)

Usei-a para participar num challenge de uma semana da Mercedes onde me pediram para fazer uma REST API.

Node.js
Node.js

Brinquei com Node por volta de 2 meses. Sei os básicos e agora consigo sobreviver ao “inferno das callbacks”.

CodeIgniter

Só usei uma vez, mas abriu-me os olhos para o mundo MVC (Modelo, Vista, Controlador).

HTML
HTML

Não existe outra maneira. Para desenvolvimento front end para web tem que se saber HTML.

CSS
CSS

Não sou o mais experiente em CSS, mas consigo fazer alguns sites bonitos. E estou sempre a aprender mais.

JavaScript
JavaScript

Linguagem boa para front end web por ser assíncrona e não tão boa para back end pelo mesmo motivo.

jQuery
jQuery

Framework muito útil para compatibilidade entre browsers. Uso-a em quase todos os meus projetos front end.

WordPress
WordPress

E não esquecer o WordPress onde fiz este site espetacular. O meu primeiro com WordPress.


Segue-me nas redes sociais